Resenhas

Ex-membros de Queens Of The Stone Age, Kyuss e Slo Burn fazem bom trabalho com Brave Black Sea



Brave Black Sea: “Fragments” (2014)

O Brave Black Sea foi fundado em meados da década de 1990 em Palm Desert, Califórnia, pelo vocalista Damon Garrison, o guitarrista Chris Hale e o baterista Alfredo Hernández. O projeto ainda se desenhava quando o destino os separou: Hernández integrou o Kyuss e, posteriormente, os primórdios do Queens Of The Stone Age. Os demais fizeram parte do Slo Burn. Nenhum deles ficou com tais ocupações por muito tempo e colaborações posteriores surgiram.
Enfim, o reencontro aconteceu há alguns anos, quando Chris Hale voltou para Palm Desert. O grupo foi reformado, com o baixista Clint Cunningham. Agora, eles apostam as fichas no primeiro e recém-lançado álbum do grupo, “Fragments”. Apesar do background de todos os músicos estar fechado no stoner rock, há influências de outros gêneros bem demonstradas por aqui: grunge, sludge e até mesmo sleaze rock acompanham as canções do quarteto.
“Running Away” abre os trabalhos de uma forma meio sleaze. Um pouco afável, mas ainda com o peso e a sujeira típicos do stoner. “Abandon Ship” tem tonalidade um pouco mais intragável, mais característico do estilo. “The Five Visitors” é arrastada, pesada e carregada por um riff denso. Até agora a faixa mais interessante, “Bandana Republic” dá sequência com um andamento diferenciado; seja pela cozinha ou pela guitarra.
Enfim, o trabalho apresenta a primeira balada stoner: “Silence Is Golden”, que tem um dedilhado interessante e ótimo refrão, com um slide por trás. “This Is This” recupera a alma sleaze da primeira faixa. Pé no acelerador e paulada na testa. “Beginners Luck”, mais alternativa, evidencia a bateria de Alfredo Hernández. Canção básica. “Ghosts” e “The Road” são semelhantes: trazem a perspectiva doom com um toque mais acessível. Com 6 minutos e meio de duração, “Fragments” encerra o disco sem muito destaque.
Com uma produção um pouco mais caprichada, que evidenciasse mais os vocais, “Fragments” se tornaria um cartão de visitas de maior potencial. Mas trata-se de um bom disco. Um laboratório para uma banda que pode vir a ser grande daqui algum tempo.

Nota 7,5

Damon Garrison (vocal, guitarra)
Chris Hale (guitarra)
Clint Cunningham (baixo)
Alfredo Hernandez (bateria)

01. Running Away
02. Abandon Ship
03. The Five Visitors
04. Bandana Republic
05. Silence Is Golden
06. This Is This
07. Beginners Luck
08. Ghosts
09. The Road
10. Fragments


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *