M. Shadows defende Spotify ao explicar por que vários artistas ganham pouco

"Nem todo artista merece ser rico. As pessoas precisam querer te ouvir", afirmou o vocalista do Avenged Sevenfold

O Spotify é frequentemente criticado pela remuneração concedida aos artistas. Segundo estimativas, a plataforma oferece cerca de US$ 0,00348 por cada reprodução, bem menos do que um centavo de dólar. Apesar da quantia gerar polêmica, M. Shadows entende que outros pontos precisam ser analisados.

O vocalista do Avenged Sevenfold apontou ao site MusicTech que os ganhos de cada cantor ou banda são proporcionais à sua relevância como um todo. Sendo assim, um músico que recebe poucos streamings e, por consequência, não apresenta expressividade na indústria, não ganhará muito dinheiro –  o que, ao seu ver, não é injusto.

- Advertisement -

Inicialmente, o cantor declarou: 

“Nem todo artista merece ser rico. Você tem que ter participação de mercado. As pessoas precisam querer te ouvir. Não existe isso de: ‘ah, eu sou artista, deveria receber mais’. Não é assim que funciona.”

Ao analisar o cenário, M. Shadows afirmou que a insatisfação dos artistas com o valor recebido no Spotify, muitas vezes, reflete um problema maior, relacionado aos contratos de gravação. Ele disse:

“A razão pela qual muitas pessoas não recebem muito no Spotify é que elas têm contratos de m#rda. Já tivemos um contrato assim. O fato de você assinar uma coisa dessas em 1999, aos 18 anos, quando não tinha dinheiro, é muito diferente de agora. Surgiu a internet, o nascimento dos streamings, e algumas pessoas continuam ganhando 24 centavos. O Spotify está pagando o que deve pagar.”

Melhorias apontadas por M. Shadows

Mesmo defendendo o posicionamento da empresa, o vocalista acredita que o streaming precisa melhorar em certos aspectos. Um deles é o compartilhamento de estatísticas dos ouvintes com as bandas e cantores – algo que a Web3, rede que utiliza tecnologias como blockchain, já pratica.

Leia também:  Vocalista de metalcore grita tão alto ao gravar música que faz polícia ir a estúdio

“Meu maior problema com o Spotify é que eles não compartilham dados com o artista. A Web3 já faz isso: você pode pegar seus dados como artista e analisá-los. Então eu não odeio o Spotify, só gostaria que eles compartilhassem conosco quem são nossos ouvintes.”

Nos últimos tempos, o Avenged Sevenfold demonstrou proximidade com a Web3. Por lá, a banda lançou sua própria linha de NFTS, além de recompensas aos fãs.

Avenged Sevenfold em 2024

O Avenged Sevenfold voltou à estrada em março. A banda divulga Life is But a Dream…, álbum lançado ano passado. Oitavo trabalho de estúdio do grupo, chegou ao 13º lugar na Billboard 200, principal parada americana. Ainda foi Top 10 em outros 7 charts entre Europa e Ásia.

A maior parte da crítica elogiou as novas abordagens sonoras exploradas pelos músicos durante o tracklist. Os fãs ficaram divididos em relação ao resultado.

As gravações duraram quatro anos. Foi o primeiro trabalho a contar com ideias musicais do falecido baterista Jimmy “The Rev” Sullivan desde “Nightmare” (2010). Assim como em “The Stage” (2016), a própria banda assinou a produção em parceria com Joe Barresi.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | TikTok | Facebook | YouTube | Threads.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioNotíciasM. Shadows defende Spotify ao explicar por que vários artistas ganham pouco
Maria Eloisa Barbosa
Maria Eloisa Barbosahttps://igormiranda.com.br/
Maria Eloisa Barbosa é jornalista, 22 anos, formada pela Faculdade Cásper Líbero. Colabora com o site Keeping Track e trabalha como assistente de conteúdo na Rádio Alpha Fm, em São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades