A música do Journey mais desafiadora de se tocar na bateria, segundo Deen Castronovo

Instrumentista chegou a treinar com seu antecessor, Steve Smith, a quem considera o melhor de todos os tempos

Deen Castronovo está em sua segunda passagem como baterista (e eventual vocalista) do Journey. Anteriormente, ele havia feito parte da banda entre 1998 e 2015. Saiu após alguns escândalos de ordem pessoal, que o levaram à prisão e posterior tratamento de reabilitação da dependência química. Retornou em 2021.

Como todo músico que entra em uma banda consagrada, coube a ele dar sua interpretação ao que havia sido feito antes, principalmente, por Aynsley Dunbar e Steve Smith. Papel que vem sendo cumprido com precisão, a despeito de o que saudosistas possam achar.

- Advertisement -

Mas quais seriam os momentos mais difíceis do repertório? Disse o instrumentista em entrevista ao Ultimate Classic Rock:

“É engraçado, mas já foi ‘Don’t Stop Believin’. Achava que Smith tocava no formato convencional, mas era open hand (nota da redação: tocar com braços abertos em vez de cruzados, forma mais tradicional). Eu não fazia ideia! Tentei e ele começou a rir. Então disse: ‘É open hand. O chimbal está aqui e você está fazendo todas essas coisas aqui’. Demorei um pouco.”

Outro motivo para a dificuldade é que, ao contrário do que alguns podem imaginar, o baterista muda o arranjo durante a canção.

Leia também:  A diferença entre Robert Plant e Paul Rodgers, segundo Jimmy Page

“Há três partes diferentes nela, não é sempre a mesma coisa. A primeira são apenas os tons, depois o tom com o prato de condução e, por fim, o tom com um padrão de prato de condução diferente nos tons. Eu tive que aprender. Foi ótimo porque eu conhecia a maioria das outras coisas, mas era o sentimento e a emoção dele quando tocava. Steve tem um grande swing. Eu era um cara do rock, com tanto balanço quanto um tijolo (risos).”

Deen Castronovo e Steve Smith

Deen reconheceu que treinar com o sucessor acabou gerando certo desconforto. Afinal, se tratava de um artista bem mais completo.

“Fiquei sentado lá por talvez uma hora, trabalhando em duas ou três músicas e então estávamos trocando quatro e ele estava varrendo o chão comigo. Foi inacreditável. Eu ficava tipo: ‘O que você está fazendo aí com aquela coisa do prato?’. Ele teve algumas aulas com um cara chamado Freddie Gruber. Neil Peart, do Rush, também teve aulas com essa pessoa. É tudo uma questão de movimento. Não se trata de tocar a bateria, mas sim de tirar o som dela. Você sabe, puxar para fora em vez de empurrar. Então aprendi muito.

Mas ele estava fazendo essas coisas e disse: ‘Bem, você pode fazer isso? Deixe-me ir devagar’. Ele me mostrava e eu dizia: ‘Não consigo’. Acho que se eu dedicasse bastante tempo e realmente estudasse – tipo, sentasse com Smith por seis meses todos os dias, seis horas por dia, eu poderia tocar esse tipo de coisa. Mas ele é tão incrível, cara. Ele ainda é meu baterista favorito de todos os tempos. Não há ninguém que o alcance no meu ranking. Realmente não existe.”

Deen Castronovo atualmente

Além do Journey, Deen comanda atualmente o Revolution Saints. O grupo lançou seu quinto álbum, “Against the Winds”, no último dia 9 de fevereiro, via Frontiers Music. O trabalho reúne 11 faixas inéditas.

Leia também:  Turnstile promove sessão de descarrego com show em SP

É o segundo desde a mudança de formação ocorrida em 2022, quando o baterista e vocalista passou a contar com o baixista Jeff Pilson (Foreigner, ex-Dokken) e o guitarrista Joel Hoekstra (Whitesnake, ex-Night Ranger) como companheiros.

Clique para seguir IgorMiranda.com.br no: Instagram | Twitter | Threads | Facebook | YouTube.

ESCOLHAS DO EDITOR
InícioCuriosidadesA música do Journey mais desafiadora de se tocar na bateria, segundo...
João Renato Alves
João Renato Alveshttps://twitter.com/vandohalen
João Renato Alves é jornalista, 40 anos, graduado pela Universidade de Cruz Alta (RS) e pós-graduado em Comunicação e Mídias Digitais. Colabora com o Whiplash desde 2002 e administra as páginas da Van do Halen desde 2009. Começou a ouvir Rock na primeira metade dos anos 1990 e nunca mais parou.

DEIXE UMA RESPOSTA (comentários ofensivos não serão aprovados)

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Últimas notícias

Curiosidades