Curiosidades

A história de quando o Foo Fighters acabou tocando com músicos do Led Zeppelin



O Foo Fighters realizou, em 7 de junho de 2008, um show histórico no estádio de Wembley, em Londres, Inglaterra. A performance enérgica da banda culminou em uma participação inacreditável de Jimmy Page e John Paul Jones, respectivamente guitarrista e baixista do Led Zeppelin, tocando versões para as clássicas “Rock and Roll” e “Ramble On”.

Dave Grohl, líder do Foo Fighters e grande contador de histórias – que, não à toa, criou um perfil no Instagram, @davestruestories, só para compartilhar algumas delas -, resolveu revelar à Entertainment Weekly como a banda dele acabou tendo dois ídolos gigantes do rock and roll no palco. A situação remete a 2007, quando o Foo se apresentou no evento beneficente Live Earth, também no estádio de Wembley.

– Leia também: 10 participações de Dave Grohl em músicas de outros artistas

“Naquele dia, eram tantos artistas, de Madonna e Beastie Boys a Genesis e Metallica. Achávamos que estaríamos entre os primeiros a tocar, abrindo, já que a programação é sempre baseada na popularidade. Só que acabamos ficando no encerramento, como atrações principais, pouco antes da Madonna. Isso aconteceu porque várias bandas tinham outros festivais para tocar naquele mesmo dia”, disse, inicialmente.

Grohl ficou especialmente assustado quando o empresário dele, John Silva, chegou com um pedido nada modesto: “só preciso que vocês sejam melhores que o Metallica”. Depois de admitir que aquilo não aconteceria, o frontman subiu ao palco com o Foo Fighters. O set curto, típico de festivais naquele formato, foi marcado pelos principais hits da banda.

Ao fim do show, Dave Grohl brincou com o público, dizendo que eles voltariam a tocar em Wembley em uma série de noites. “Eu estava brincando! Nunca tínhamos sido headliners de shows em estádio. Um ano depois, meu empresário perguntou se queríamos tocar lá. Claro que sim. Desenhamos todo o palco que acabou se tornando o modelo para aquele show e queríamos trazer convidados especiais”, afirmou.

– Leia também: Dave Grohl fala sobre não tocar músicas do Nirvana após fim da banda

Foi aí que surgiu a ideia de tentar convidar músicos do Led Zeppelin, já que Dave Grohl é um grande fã e tem até tatuagens da banda. “Ficamos amigos de John Paul Jones após tocarmos ‘The Pretender’ juntos no Grammy naquele ano. Pensei: na ocasião mais importante da minha vida, por que não chamar aqueles que mudaram tudo para mim? Liguei para Jimmy Page e ele só perguntou quais músicas queríamos tocar. Fiquei com medo de responder. Sentia que era um sonho. Mas acabei sugerindo ‘Rock and Roll’ e ‘Ramble On’. Ele disse: ‘legal, nos vemos nos ensaios’. Sim, foi fácil desse jeito. Não acreditava”, disse.

Dave nem consegue se lembrar dos ensaios, mas relata que estava nervoso e de ressaca. “Quando chegaram, eu não acreditava naquele momento: sentar numa bateria e ter Jimmy Page à minha esquerda e John Paul Jones à direita. A importância deles para mim é difícil de se explicar, pois eu não fiz aulas de música, não aprendi teoria convencional, não sei ler partituras, mas aprendi muito com aqueles discos deles. Eu os via como se fossem mais do que seres humanos, mas eles são humanos. São maravilhosos e generosos”, afirmou.

– Leia também: Como era gravar John Bonham em estúdio, do peso nos pés à afinação da bateria

O show acabou rolando como planejado e Jimmy Page e John Paul Jones fizeram suas participações nos momentos finais do repertório. “De vez em quando, vejo algum vídeo desse show e lembro de como me senti subindo naquele palco, tendo 60 mil ou 70 mil pessoas cantando ‘Everlong’. Foi mágico. Vejo minha mãe, minha esposa, minha filha, minha família toda, e penso: ‘isso não era para estar acontecendo, essa banda nem era para ter esse tamanho’. Não foi um show qualquer. Essa é uma daquelas situações que ficarão comigo para sempre”, disse.

Embora reconheça que Jimmy Page e John Paul Jones são humanos como qualquer outro, Dave Grohl evitava forçar qualquer tipo de relação pessoal com eles. Mesmo assim, as coisas aconteceram naturalmente a ponto de Grohl e Jones se tornarem amigos íntimos e até parceiros de banda: montaram o Them Crooked Vultures com Josh Homme, frontman do Queens of the Stone Age.

Curiosamente, o Them Crooked Vultures começou a ser planejado antes de tudo isso, em meados de 2005, conforme Dave Grohl havia revelado, naquele ano, em entrevista à Mojo. Em postagem nas redes sociais em 2019, Jimmy Page deu a entender que também faria parte do projeto, mas o guitarrista do Led Zeppelin acabou não se envolvendo com a banda.

– Leia também: Dave Grohl não descarta reunião do Them Crooked Vultures

O supertrio gravou apenas um álbum, autointitulado “Them Crooked Vultures”,  fez uma turnê para divulgá-lo. A ideia era lançar um segundo disco, mas esse plano nunca se materializou.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *