Notícias

Retorno de Michael Kiske ao Helloween foi como voltar para casa, diz Andi Deris



O vocalista Andi Deris falou sobre o atual momento do Helloween em entrevista ao programa de rádio “Metal Command“, transcrito pelo Blabbermouth. Desde 2016, a banda conta com sete integrantes: o cantor Michael Kiske e o guitarrista Kai Hansen retornaram ao grupo, mas seus então substitutos, Deris e Sascha Gerstner, foram mantidos em suas funções.

Ao ser perguntado sobre como é dividir o palco com Michael Kiske, Andi Deris comentou que pode parecer “um pouco estranho”, mas que, para ele, foi a coisa “mais normal” a ser feita. “Gostei de não ser o único vocalista, porque quando Michael assume, eu posso fumar um cigarro (risos). Michael percebe que seria legal ter uma pausa, aí eu canto. É confortável, porque dividimos o posto. Você vê o pobre Dani (Löble) na bateria constantemente, tocando coisas não muito fáceis. São três horas de guerra, considerando como são nossas músicas na bateria. Deveríamos estar falando dele e não de Michael ou de mim”, afirmou, inicialmente.

Em seguida, Deris comentou a respeito de sua relação com Kiske. “O mais importante é que, antes da turnê, eu o convidei para minha ilha (em Tenerife, Espanha). Passamos duas semanas nos conhecendo de forma privada. Ele ama a ilha. Eu amo Michael e acho que ele me ama. Digo isso porque tenho um filho e estou casado há 30 anos (risos). É como se ele tivesse voltado para casa. Na verdade, ele estava mesmo. Para mim, é um alívio, porque não preciso cantar as músicas dele, que exigem muito, pois temos o próprio para cantá-las. Para mim, é perfeito. A química funciona sem segredo por trás”, disse.

– ‘Eu era a pedra no sapato de Andi Deris e vice-versa’, diz Michael Kiske

A boa química se refletiu no restante da banda, de acordo com o vocalista. “Quando se começa tão bem, não precisa se preocupar. O próximo show é uma outra festa. É tão fácil ir ao palco e se divertir, é disso que se trata. […] Acho que nosso último show foi no fim de dezembro. Quando falei com os caras, todos ainda estavam admirados, por assim dizer. ‘Uau, que ano excelente’. Provavelmente, (2018) foi o melhor ano para todos, em suas carreiras de mais de três décadas”, afirmou.


Igor Miranda
Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Escreve sobre música desde 2007. Atualmente, é redator do Whiplash.Net, o maior site sobre rock e heavy metal do Brasil. Também é editor-chefe da revista e site Guitarload, para guitarristas, e redator do site Revista Cifras, a página editorial do portal Cifras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *